Enéadas – Sexta Enéada, tomo I, de Plotino

Enéadas – Sexta Enéada, tomo I, de Plotino

O uno – origem de tudo e finalidade essencial de todos os seres – é todas as coisas e nenhuma delas é o uno. Ele é radicalmente transcendente, está acima do ser e, por isso, não pode sequer ser nomeado. Dele procedem emanações: o noús (o intelecto divino) e, em seguida, a alma, que se projeta para o mundo, identifica-se com a natureza e se emaranha na encarnação física. Os seres humanos, em última análise originários do uno, devem – através da contemplação do belo – fazer o caminho inverso, retornar até a alma “sem mescla” e dali unir-se ao princípio intelectual, a fim de “ver o que ele (o uno) vê”.

Essas especulações do filósofo Plotino (205-270), que buscam explicar um dos maiores enigmas da humanidade – a origem de todas as coisas -, estão traduzidas na íntegra pela primeira vez no idioma português. Um dos maiores pensadores da Antiguidade, Plotino é autor das Enéadas, que foram vertidas diretamente do grego antigo pelos professores José Seabra Filho, do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, e Juvino Alves Maia Junior, da Universidade Federal da Paraíba (UFP).

O resultado de todo o trabalho é o acesso às ideias de Plotino que Seabra e Maia acabam de publicar.

Text by Roberto C. G. Casto

https://jornal.usp.br/?p=259430

 


Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.